VIABILIDADE ECÔNOMICA DA IRRIGAÇÃO POR PIVÔ CENTRAL NAS CULTURAS DE SOJA, MILHO E TOMATE

Déborah Lídya Alves Sales, José Alves Junior, Rodrigo Moura Pereira, Walter Danilo Maradiaga Rodriguez, Derblai Casaroli, Adão Wagner Pego Evangelista

Resumo


 

A viabilidade econômica de um empreendimento agrícola com irrigação é influenciada pelos custos de implantação e manutenção do sistema. Estes, por sua vez, variam em função das lâminas de projeto e manejo de irrigação ao longo do ciclo. O objetivo deste estudo foi de verificar a viabilidade econômica da irrigação por pivô central em cultivos de soja, milho e tomate, submetidos a diferentes manejos e lâminas de projeto. Para o estudo considerou-se uma área irrigada por pivô central de 80,78 ha, simulando o cultivo rotativo de soja, milho e tomate (2,5 colheitas ano‑1), na região de Cristalina-GO, ao longo da vida útil do sistema (30 anos). Considerou-se a ETo média histórica da região,além de outros sete valores simulados (ETo entre 4 e 7 mm dia‑1). Utilizou-se a planilha AMAZONSAF-EMBRAPA para o cálculo de indicadores financeiros em função de coeficientes técnicos de cultivo para a região (FAEG). Verificou-se que o aumento 3,08 mm na ETo, aumenta em 77% a lâmina de projeto, bem como a lâmina aplicada no manejo. A irrigação representou 8% dos custos totais de produção, sendo 4% de investimento com equipamentos hidráulicos e barragem e 4% referente ao custo variável com energia. Entretanto, a lucratividade do empreendimento reduz em apenas 2,4%. Conclui-se que a implantação de um sistema de irrigação por pivô central é viável para o cultivo de soja, milho e tomate industrial, nas condições edafoclimáticas do Cerrado goiano. 


Palavras-chave


análise financeira custo de energia custo de implantação aspersão

Texto completo:

PDF PDF

Referências


ARCO-VERDE, M. F. & AMARO, G. Cálculo de indicadores financeiros para sistemas agroflorestais. (Documentos 44 / Embrapa Roraima), p.48, 2011.

BESSA, L. K. As plantações de soja e o impacto ambiental causado na água e solo na região do cerrado/centro-oeste/cidade de Cristalina de Goiás. 2006. Dissertação (Mestrado em Ecologia e Produção Sustentável)–Universidade Católica de Goiás, Goiânia, 2006.

CARRER FILHO, R., ROMEIRO. R. S., AMARAL, L. S., GARCIA, F. A. O. Potencialidade de um actinomiceto de rizosfera de tomateiro como agente de biocontrole de doenças. Horticultura Brasileira, Brasília v.27, n.3, p. 340-344, Brasília, 2009

FAEG. FEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA DE GOIÁS. Index: Sistemas de cotações, 2014. Disponível em: < http://sistemafaeg.com.br/mercados-e-cotacoes/milho>. Acesso em: 10 Nov. 2014

FENILLE, R. C., SOUZA, N. L. Efeitos de materiais orgânicos e da umidade do solo na patogenicidade de Rhizoctoniasolanikühn GA-4 HGI ao feijoeiro. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.34, n.10, p.1959-1967, 1999

FRIZZONE, J. A.; ANDRADE JÚNIOR. Planejamento de irrigação: análise de decisão de investimento. 1ª ed. Brasília: EMBRAPA INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA, p. 626, 2005.

GARZEL, J. C. Matemática financeira e análise de investimentos. Curitiba: SENAR – PR (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural) p.37, 2003.

GROGAN, R.G. & ABAWI, G.S. Influence of water potencial on growth and survival of Whetzeliniasclerotiorum.Phytopathology, v.65, p.122-138, 1975.

IPCC.Climate change 2007: working group Index: The Physical Science Basis. Disponível em: . Acesso em: 05 de set. de 2014

LANDAU, E. C., GUIMARÃES, D. P., REIS, R. J. Index: Mapeamento das Áreas Irrigadas por Pivôs Centrais no Estado de Goiás e no Distrito Federal. Boletim de Pesquisa n°77, p.8, 2013. Disponível em: . Acessado em: 06 de out. de 20014

MAROUELLI, W. A.; SILVA, W. L. C.; SILVA, H. R. Manejo da irrigação em hortaliças. Brasília: Embrapa-SPI: Embrapa-CNPH, 1996. 72 p.

MORRALL, R.A.A. A preliminary study of the influence of water potential on sclerotium germination in Sclerotiniasclerotiorum.Canadian Journal of Botany.v. 55, 11p, 1977.

MAROUELLI, W.A.; LOPES, C.A.; SILVA, W.L.C. Incidência de murcha-bacteriana em tomate para processamento industrial sob irrigação por gotejamento e aspersão. Horticultura Brasileira, Brasília, v.23, n.2, p.320-323, 2005.

MAROUELLI, W.A.Efeito da frequência de rega e da umidade do solo sobre a germinação carpogênica de Sclerotiniasclerotiorum. Summa Phytopathologica, v.33, n.1, p.80-82, 2007.

NAPOLEÃO, R.,CAFÉ-FILHO, A.C., NASSER, L.C.B., LOPES, C.A., SILVA, H. R. Intensidade do Mofo-Branco do Feijoeiro em Plantio Convencional e Direto sob Diferentes Lâminas d’Água. Fitopatolia Brasileira, v. 30, n.4, jul–ago,2005

NORONHA, J. F. Projetos agropecuários: administração financeira, orçamento eviabilidade econômica. 2. ed. São Paulo: Atlas, p. 269,1987.

PAVANI, L.C.; LOPES, A.S., GALBEIRO, R.B. Manejo da irrigação na cultura do feijoeiro em sistemas plantio direto e convencional. Engenharia Agrícola, Jaboticabal, v.28, n.1, p.12-21, jan-mar. 2008

QUIRINO, D. T.; SALES, L. F. P. de; SILVA, O. F. da. (2011). Aplicação do sensoriamento remoto para análise temporal em agriculturas irrigadas por pivô central no município de Cristalina GO. 2011. Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Curitiba, Mai./Abr. 2011, p. 154-160. 2011.

SANDRI, D.; CORTEZ, D. Parâmetros de desempenho de dezesseis equipamentos de irrigação por pivô central. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v.33, n. 1, p. 271-278, 2009.

SANO, E. E.; LIMA, J.E.F.W.; SILVA, E. M.; OLIVEIRA, E. C. Estimativa da variação na demanda de água para irrigação por pivô central no Distrito Federal entre 1992 e 2002. Engenharia Agrícola, Jaboticabal, v.25, n.2, p.508-515, 2005.




DOI: https://doi.org/10.12661/pap.2017.011

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Pesquisa Agropecuária Pernambucana
ISSN 0100-8501 (impresso)
ISSN 2446-8053 (online)


Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA)
Av. General San Martin, 1371
Bongi, Recife, PE, CEP 50761-000
revista.pap@ipa.br