Aspectos relevantes sobre a cercosporiose do quiabeiro no Brasil: etiologia, sintomatologia, epidemiologia e controle

Carolina dos Santos Galvão, Fabíola Teodoro Pereira, Fabricio Rodrigues, Daniel Diego Costa Carvalho

Resumo


Esta revisão objetivou realizar um levantamento sobre a cercosporiose do quiabeiro, enfocando os aspectos mais relevantes para a doença no Brasil: características micromorfológicas do patógeno, sintomatologia, epidemiologia e controle da doença. Resumidamente, P. abelmoschi e Cercospora (C. hibiscina e C. malayensis) podem ser diferenciados baseando-se nas características dos conidióforos, enquanto que C. malayensis e C. hibiscina são diferenciados pelo comprimento dos conidióforos e conídios. No Brasil, a cercosporiose está frequentemente associada as espécies C. malayensis e C. hibiscina, em que C. malayensis é uma espécie menos agressiva, causando manchas foliares escuras e arredondadas e, por outro lado, C. hibiscina é mais agressiva, causando manchas foliares escuras, irregulares e maiores que a anterior. O controle da cercosporiose na cultura do quiabeiro é baseado em práticas culturais e controle químico, pois não existe o controle varietal.

Palavras-chave


Abelmoschus esculentus, taxonomia de fungos, horticultura

Texto completo:

PDF

Referências


AGRIOS, G. N. Control of plant diseases. In: AGRIOS, G. N. (Ed). Plant pathology. San Diego: Academic Press. 5th ed., 2005, p.295-357.

BAKHSHI, M. et al. Comprehensive check list of Cercosporoid fungi from Iran. Plant Pathology & Quarantine, Chiang Rai, v.2, n.1, p.44-55, 2012. http://doi/10.5943/ppq/2/1/7

BEDENDO. I. P. Manchas foliares. In: BERGAMIN FILHO, A., AMORIM, L. & REZENDE. J.A. (Eds). Manual de Fitopatologia: Princípios e conceitos. Piracicaba: Agronômica Ceres, v.1, 2011, p.459-466.

BEGUM, M. M. et al. Taxonomic review of and development of a lucid key for philippine cercosporoids and related fungi. In: CUMAGUN, C. J. (Ed). Plant Pathology, Rijeka: InTech Europe, 2012, p.1-41.

CATARINO, A. M. et al. Cercosporiose do quiabeiro: métodos alternativos de controle. Porto Seguro: Associação Brasileira Horticultura, 2007. 4p.

CHUPP, C. A monograph of the fungus genus Cercospora. New York: Ithaca, 1954. 667p.

FARR, D. F. & ROSSMAN, A. Y. Fungal Databases, Systematic Mycology and Microbiology Laboratory, ARS, USDA. Disponível em: Acesso em: 15 jan. 2015.

FARRAG, E. S. H. First record of Cercospora leaf spot disease on okra plants and its control in Egypt. Plant Pathology Journal, New York, v.10, n.4, p.175-180, 2011. http://dx.doi.org/10.3923/ppj.2011.175.180

FREIRE, F. C. O. & BRAUN, U. Hifomicetos cercosporoides associados a plantas do estado do Ceará. Revista Ciência Agronômica, Fortaleza, v.40, n.1, p.150-156, 2009.

GONÇALVES, G. C. et al. Estudo da viabilidade técnica da produção de quiabo (Abelmoschus esculentus L.) e jiló (Solanum gilo) em Planaltina-GO. Brasília: UPIS, Faculdades Integradas, Departamento de Agronomia, Boletim Técnico, 2009. 91p.

HALFELD-VIEIRA, B. A. et al. Principais doenças em cultivos de pequenas propriedades do entorno de Boa Vista. Boa Vista: Embrapa Roraima, Documentos, n.36, 2010. 31p.

JAIN, N., et al. A review on: Abelmoschus esculentus. Pharmacia, Gwalior, v.1, n.3, p.84-89, 2012.

LITTLE, S. Cercospora malayensis. CMI Descriptions of Pathogenic Fungi and Bacteria, v. 916, p. 1-2, 1987.

MASSOLA JUNIOR, N. S. & BEDENDO. I. P. Doenças do quiabeiro (Abelmoschus esculentus). In: KIMATI, H., AMORIM, L., REZENDE, J. A. M., BERGAMIN FILHO, A. & CAMARGO, L. E. A. (Eds). Manual de Fitopatologia: Doenças das plantas cultivadas. Piracicaba: Agronômica Ceres, v. 2, 2005. p.541-543.

MEEBOON, J. et al. An annotated list of cercosporoid fungi in Northern Thailand. Journal of Agricultural Technology, Ladkrabang Bangkok, v.3, n.1, p.51-63, 2007.

MENDES, M. A. S. et al. Fungos em plantas no Brasil. Brasília: Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, 1998. 555p.

MYCOBANK. Cercospora hibiscina. Disponível em: Acesso em: 15 jan. 2015.

OLIVEIRA, A. P. et al. Rendimento de quiabo em função das doses de nitrogênio. Acta Scientiarum Agronomy, Maringá, v.25, n.2, p.265-268, 2003. http://dx.doi.org/10.4025/actasciagron.v25i2.1761

PANERO, F. S. et al. Aplicação da análise exploratória de dados na discriminação geográfica do quiabo do Rio Grande do Norte e Pernambuco. Eclética Química, São Paulo, v.34, n.3, p.33-40, 2009. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-46702009000300004

PAULA, D. M. G. Cercosporiose (Pseudocercospora abelmoschi Ellis & Everh.) do quiabo (Abelmoschus esculentus L.). Urutaí: Instituto Federal Goiano, 2011. Disponível em: Acesso em: 15 jan. 2015.

SOUZA, L. A. et al. Efeito fungicida da própolis e do leite sobre a cercosporiose na cultura do quiabeiro (Abelmoschus esculentus). Revista Brasileira de Agroecologia, Porto Alegre, v.3, p.142-145, 2008.

VASCONCELOS, C. V. et al. Ocorrência de Alternaria alternata (Fr.:Fr.) Keissl. em tubérculos de batata, no Brasil. Pesquisa Agropecuária Tropical, Goiânia, v.44, n.2, p.219-222, 2014. http://dx.doi.org/10.1590/S1983-40632014000200015




DOI: https://doi.org/10.12661/pap.2017.008

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Pesquisa Agropecuária Pernambucana
ISSN 0100-8501 (impresso)
ISSN 2446-8053 (online)


Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA)
Av. General San Martin, 1371
Bongi, Recife, PE, CEP 50761-000
revista.pap@ipa.br